Portal do Governo Brasileiro
2012 - Livro Vermelho 2013

Aspidosperma spruceanum Benth. ex Müll.Arg. LC

Informações da avaliação de risco de extinção


Data: 17-02-2012

Criterio:

Avaliador: Marcus Alberto Nadruz Coelho

Revisor: Miguel d'Avila de Moraes

Analista(s) de Dados: CNCFlora

Analista(s) SIG:

Especialista(s):


Justificativa

Espécie com larga distribuição no território brasileiro, sem informações de ameaça.

Taxonomia atual

Atenção: as informações de taxonomia atuais podem ser diferentes das da data da avaliação.

Nome válido: Aspidosperma spruceanum Benth. ex Müll.Arg.;

Família: Apocynaceae

Sinônimos:

  • > Aspidosperma igapoanum ;
  • > Macaglia spruceana ;

Mapa de ocorrência

- Ver metodologia

Informações sobre a espécie


Notas Taxonômicas

Nomes populares: "amargoso", "araracanga", "pau-amarelo", "piquiá-marfim". Usado em construção e como dormentes de estrada de ferro (Marcondes-Ferreira, 1988). Árvores 5-20 m, látex avermelhado; ramos castanho-claros a escuros, não corticosos, sem lenticelas; com pêlos diminutos dando uma aparência farinhenta (Marcondes-Ferreira, 2005). Segundo Woodson (1951) A. spruceanum ocorreria na região norte do Brasil, em florestas periodicamente inundadas. Marcondes-Ferreira (1988) propôs a sinonimização de várias espécies sob A. spruceanum e, assim, a espécie passou a ser considerada amplamente distribuída em matas, desde o México até o Brasil, florescendo principalmente de julho a setembro. Estas sinonímias não foram efetivamente publicadas, mas os materiais identificados pelo autor que atualmente estão nos herbários foram baseados nesta nova delimitação (Koch, com. pess.).

Distribuição

Norte (Amapá, Pará, Amazonas, Acre), Nordeste (Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal), Sudeste (Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro) (Koch; Rapini, 2011).

Ecologia

Árvores 5-20 m. Coletada com flores o ano todo, principalmente de julho a setembro (Marcondes-Ferreira, 2005). Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica (Koch; Rapini, 2011). Florestas pluvial, nebular, semidecídua, nebular anã (Oliveira Filho, 2010).

Ações de conservação

1.2.1.3 Sub-national level
Situação: on going
Observações: Considerada "Vulnerável" (VU) pela Lista vermelha de São Paulo (SMA-SP, 2004).

Referências

- KOCH, I.; RAPINI, A. Apocynaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2011/FB004520>.

- KOCH, I.; SIMÕES, A.O.STEHMANN, J. R.; FORZZA, R. C.; SALINO, A. ET AL. Apocynaceae (Apocynoideae, Rauvolfioideae). Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 132-140 p.

- NETO, W. M.-F. Aspidosperma Mart., nom. cons. (Apocynaceae): estudos taxonômicos. Tese de Doutorado. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 1988.

- SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, SÃO PAULO. SMA-SP. RESOLUçãO SMA N. 48 DE 2004. Lista oficial das espécies da flora do Estado de São Paulo ameaçadas de extinção, Diário Oficial do Estado de São Paulo, São Paulo, SP, 2004.

Como citar

CNCFlora. Aspidosperma spruceanum in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Aspidosperma spruceanum>. Acesso em .


Última edição por CNCFlora em 17/02/2012 - 16:53:59